Exposição do MAB FAAP destaca o modernismo presente na fotografia, no cinema e nas artes gráficas


DATA


COMPARTILHE


O MAB FAAP apresenta a exposição Modernidades Atravessadas, com curadoria do pesquisador Rubens Fernandes Junior. A mostra joga luz sobre três linguagens – a fotografia, o cinema e as artes gráficas – que não foram contempladas durante a Semana de Arte Moderna de 1922, acontecimento estético que marcou a grande ruptura na arte brasileira.

“Queremos trazer para discussão que a Semana de Arte Moderna, em 1922, foi atravessada por outras modernidades, que vieram antes e depois do evento. Basta um olhar retrospectivo para entendermos que outras linguagens, associadas ao mundo maquínico, também estavam se desenvolvendo e experimentando novas possibilidades de produção e criação”, explica o curador, também diretor da área de Comunicação do Centro Universitário FAAP.

No núcleo das Fotografias, o público pode conferir, por exemplo, retratos de grandes nomes que fizeram parte da Semana de Arte Moderna, seja como artista, como Mario e Oswald de Andrade, ou como mecenas, como Olivia Penteado e família. São apresentadas, ainda, fotos de Flavio de Carvalho, que não esteve presente no evento, mas se envolveu profundamente com os modernistas.

De acordo com o curador da mostra, na fotografia brasileira houve uma modernidade tardia, a partir do final dos anos 1940, por meio do Foto Cine Clube Bandeirante. Como referência, a exposição traz produções de fotógrafos como Thomaz Farkas, German Lorca, Benedito Junqueira Duarte, Jean Manzon, Otto Stupakoff, Bob Wolfenson, J.R Duran e Klaus Mitteldorf, todas pertencentes ao acervo do MAB FAAP.

Já em Cinema e Artes Gráficas, é possível apreciar um filme inédito, doméstico e de época, feito pela família Silva Prado, que apoiou financeiramente a Semana de Arte Moderna, além de cartazes do cinema brasileiro que pertencem ao acervo da FAAP.

O núcleo traz, por exemplo, cartazes do período inicial do cinema, dos anos 1920 e 1930; da Vera Cruz, de 1950; do Cinema Novo e, por fim, da Tropicália, nos anos 1960 e início dos anos 1970. Cartazes alemães e russos dos anos 1920 e 1930, que também são referência de modernidade para o Brasil, estão em exposição.

Em outro espaço, a exposição apresenta sete partituras de filmes, do arquivo do curador, que remetem a uma iconografia moderna, como o do filme São Paulo, A Sinfonia da Metrópole (1929), além de uma vitrine com três números da revista São Paulo de fotomontagem, que circulou em 1936.

Modernidades Atravessadas faz uma conexão com a exposição Modernos, em cartaz no MAB FAAP desde março, com dois grandes núcleos: Antes de 1922 e Depois de 1922.

Obras de Antônio Parreiras, Eliseu Visconti, Estevão Silva, Georg Grimm e João Batista Castagneto são exemplos que podem ser vistos no núcleo Antes de 1922. No segundo, o público pode conferir obras de até 121 artistas, como O Homem das Setes Cores, de Anita Malfatti, entre outras.

Exposição Modernidades Atravessadas 

Período de visitação: de 9 de maio a 3 de julho de 2022

Horário: De quarta a segunda-feira, das 10h às 18h (última entrada às 17h30).

Fechado todas as terças-feiras, mesmo quando feriado.

Endereço: R. Alagoas, 903 – Higienópolis

Informações:(11) 3662-7198

Entrada: Gratuita


COMPARTILHE

COMPARTILHE

O MAB FAAP apresenta a exposição Modernidades Atravessadas, com curadoria do pesquisador Rubens Fernandes Junior. A mostra joga luz sobre três linguagens – a fotografia, o cinema e as artes gráficas – que não foram contempladas durante a Semana de Arte Moderna de 1922, acontecimento estético que marcou a grande ruptura na arte brasileira.

“Queremos trazer para discussão que a Semana de Arte Moderna, em 1922, foi atravessada por outras modernidades, que vieram antes e depois do evento. Basta um olhar retrospectivo para entendermos que outras linguagens, associadas ao mundo maquínico, também estavam se desenvolvendo e experimentando novas possibilidades de produção e criação”, explica o curador, também diretor da área de Comunicação do Centro Universitário FAAP.

No núcleo das Fotografias, o público pode conferir, por exemplo, retratos de grandes nomes que fizeram parte da Semana de Arte Moderna, seja como artista, como Mario e Oswald de Andrade, ou como mecenas, como Olivia Penteado e família. São apresentadas, ainda, fotos de Flavio de Carvalho, que não esteve presente no evento, mas se envolveu profundamente com os modernistas.

De acordo com o curador da mostra, na fotografia brasileira houve uma modernidade tardia, a partir do final dos anos 1940, por meio do Foto Cine Clube Bandeirante. Como referência, a exposição traz produções de fotógrafos como Thomaz Farkas, German Lorca, Benedito Junqueira Duarte, Jean Manzon, Otto Stupakoff, Bob Wolfenson, J.R Duran e Klaus Mitteldorf, todas pertencentes ao acervo do MAB FAAP.

Já em Cinema e Artes Gráficas, é possível apreciar um filme inédito, doméstico e de época, feito pela família Silva Prado, que apoiou financeiramente a Semana de Arte Moderna, além de cartazes do cinema brasileiro que pertencem ao acervo da FAAP.

O núcleo traz, por exemplo, cartazes do período inicial do cinema, dos anos 1920 e 1930; da Vera Cruz, de 1950; do Cinema Novo e, por fim, da Tropicália, nos anos 1960 e início dos anos 1970. Cartazes alemães e russos dos anos 1920 e 1930, que também são referência de modernidade para o Brasil, estão em exposição.

Em outro espaço, a exposição apresenta sete partituras de filmes, do arquivo do curador, que remetem a uma iconografia moderna, como o do filme São Paulo, A Sinfonia da Metrópole (1929), além de uma vitrine com três números da revista São Paulo de fotomontagem, que circulou em 1936.

Modernidades Atravessadas faz uma conexão com a exposição Modernos, em cartaz no MAB FAAP desde março, com dois grandes núcleos: Antes de 1922 e Depois de 1922.

Obras de Antônio Parreiras, Eliseu Visconti, Estevão Silva, Georg Grimm e João Batista Castagneto são exemplos que podem ser vistos no núcleo Antes de 1922. No segundo, o público pode conferir obras de até 121 artistas, como O Homem das Setes Cores, de Anita Malfatti, entre outras.

Exposição Modernidades Atravessadas 

Período de visitação: de 9 de maio a 3 de julho de 2022

Horário: De quarta a segunda-feira, das 10h às 18h (última entrada às 17h30).

Fechado todas as terças-feiras, mesmo quando feriado.

Endereço: R. Alagoas, 903 – Higienópolis

Informações:(11) 3662-7198

Entrada: Gratuita


DATA


MAB FAAP

Conheça

Outras notícias que você também pode gostar

Você está vendo:

Fique por dentro de tudo o que acontece na FAAP

MAB FAAP

MAB FAAP inaugura exposição “Reverberações Surrealistas” com 137 obras de 87 artistas

O Museu de Arte Brasileira da FAAP (MAB FAAP) abrirá suas portas para a exposição Reverberações Surrealistas no dia 25 de junho, terça-feira, até 29 de setembro de 2024. A mostra, inspirada no movimento surrealista, será realizada na sala Annie Alvares Penteado e apresentará 137 obras de 87 artistas, todos com influência do surrealismo. As obras dialogam com a exposição Desafio Salvador Dalí, em cartaz também no MAB. A curadoria é de Laura Rodríguez, graduada e pós-graduada pela FAAP. Trabalha com o MAB desde 2004, e assumiu a Coordenadora de Curadoria e Acervo do museu em 2018. “O MAB FAAP decidiu esse ano homenagear os 100 anos do Manifesto Surrealista. Além de sediar no Brasil o Desafio Salvador Dali, uma mostra abrangente sobre a obra do artista espanhol, apresenta agora uma seleção de obras do seu acervo, que denotam uma influência ou afinidade com esse movimento vasto e importante da história da arte mundial”, afirma a curadora. Núcleos Expositivos: Surrealismo entre os Modernistas: Apresenta obras que incorporam características do movimento surrealista, com alguns artistas que estiveram na Europa entre os anos 1920 e 1940, trazendo os ideais do movimento ao Brasil. Realismo Mágico: Neste núcleo serão exibidas pinturas alemãs com características surrealistas. Com obras dos artistas Walter Lewy, Hein Heckroth e Heinz Kühn, além de artistas que participaram do Realismo Mágico no Brasil, como Wesley Duke Lee. Grupo Phases: Movimento francês dos anos 1950 que chegou ao Brasil na década seguinte. O grupo defendia a expressão livre e gestos espontâneos associados aos imaginários mágico e folclórico. Além disso, destacavam a produção de crianças, pessoas com doenças mentais, povos não ocidentais e artistas populares. Entre os artistas deste núcleo, estão Fernando Odriozola, Flávio Shiró, Bernardo Cid, Wesley Duke Lee e Bin Kondo. Paisagens Metafísicas: Obras que remetem à vertente desenvolvida pelos italianos Giorgio de Chirico e Carlo Carrà na década de 1910. Inclui obras de Cecília Suzuki, Flavio Bassani, Isabel Pons, Eduardo Iglesias, Luiz Paulo Baravelli, Lula Cardoso Ayres e Sergio Vaz de Almeida Christovão. Sonhos e Fabulações: Núcleo que explora o mundo onírico incorporado pelo surrealismo. Obras de Marcello Grassmann, Roberto Magalhães e Guilherme de Faria são destaques. Fotografia Surreal: Fotografias com efeitos fantasiosos e elementos do surrealismo. Artistas como Amanda Mei, Klaus Mitteldorf e Mario Cravo Neto estão presentes. Cartazes de Cinema Surrealista: Apresenta cartazes de filmes da coleção da Filmoteca FAAP, incluindo títulos como “Medo e Delírio” de Terry Gilliam, “O Homem Elefante” de David Lynch, “A Forma da Água” de Guillermo del Toro, “Terras” de Maya Da-Rin, entre muitos outros. Ficções Contemporâneas: Obras contemporâneas que dialogam com a fantasia e a invenção fabulosa. Entre os artistas, estão Guilherme de Faria, Genietta Varsi, e Guerreiro do Divino Amor, artista suíço-brasileiro. Alguns artistas presentes estiveram na Residência Artística FAAP – São Paulo. Serviço Visitação: de 25 de junho, terça-feira, a 29 de setembro de 2024 Sala Annie Alvares Penteado MAB FAAP Endereço: Rua Alagoas, 903 – Higienópolis Horário de funcionamento: De terça-feira a domingo, das 9h às 20h (acesso até 19h30) Fechado às segundas-feiras, inclusive quando feriado Entrada


MAB FAAP

MAB FAAP recebe convidados para abertura da exposição de Salvador Dalí 

O Museu de Arte Brasileira (MAB FAAP) inaugurou a exposição intitulada “Desafio Salvador Dalí – Uma exposição surreal na FAAP”, recebendo convidados especiais. Entre eles, estavam personalidades das artes, da cultura, da comunicação, do poder público, empresários e amantes das artes.   Com uma salva de palmas, as portas da exposição foram abertas por dona Celita Procopio de Carvalho (Presidente do Conselho de Curadores da FAAP) e pelo Dr. Antonio Bias Bueno Guillon (Diretor-Presidente da FAAP), que fizeram as honras da noite ao lado da Sra. Pilar Guillon Liotti (membro voluntária do Conselho do MAB FAAP). Com orgulho, a conselheira disse que “é uma grande honra pra FAAP receber essa exposição incrível do surrealista Salvador Dalí, que marca os 100 anos do Surrealismo.”  Ilustres como a Secretária da Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo, Marilia Marton, o Cônsul da Espanha, Dom Pablo Montesino-Espartero, o conde Chiquinho Scarpa, o ator global Leopoldo Pacheco, a jornalista Joyce Pascowitch, o estilista Eduardo Toldi, e a modelo Cássia Ávila, foram algumas das personalidades que circularam pelos salões do prédio principal.   Os convidados tiveram o privilégio de contemplar mais de 100 peças expositivas inéditas no país.   Paulo Bonfá, CEO da Conteúdo Criativo e organizador da exposição, junto com Roberto Souza Leão, CEO do Instituto Totex, expressou sua satisfação ao receber o público, destacando a excelência do evento. “É totalmente excelente, enfim, receber o público na exposição. Em formato inovador, reproduzindo a mesma cor, a mesma textura, são três toneladas de telas vindas da Espanha – junto com a tecnologia, com multitalentos do cinema, da publicidade, da literatura, joias desenhadas pelo artista e também a possibilidade de levar um pouco da exposição para casa”.   Obras emblemáticas como “A Persistência da Memória” (1931), “O Cristo de São João da Cruz” (1951) e “Construção Suave com Damascos Cozidos” (1936) adornam os painéis gigantes, constituindo elementos fundamentais da mostra. Além da reprodução das pinturas e esculturas, os participantes apreciaram uma reprodução do ateliê onde Dalí trabalhava em outros campos diversos como ourivesaria, cinema e publicidade.   Espalhando-se por mais de 1,2 mil metros quadrados, o MAB FAAP emprega tecnologia de ponta para proporcionar aos visitantes um mergulho na vasta obra do artista, que se estendeu por seis décadas de atividade. O museu convida o público a se encantar com o mundo surreal de um dos artistas mais enigmáticos do século XX, com a abertura ao público agendada para esta quarta-feira, 1º de maio.  Desafio Salvador Dalí: uma exposição surreal na FAAP  Quando: a partir de 1º de maio de 2024Horários: de terça a domingo das 10h às 21h (última entrada às 20h) Onde: Museu de Arte Brasileira da Fundação Armando Alvares Penteado – MAB FAAB (Rua Alagoas, 903 – Higienópolis – São Paulo) Público: livre para todas as idades Acessibilidade: local acessível para pessoas em cadeira de rodas  Ingressos:

Fique por dentro de tudo o que acontece na FAAP

Newsletter