Residência Artística FAAP São Paulo convida para Open Studio e abertura da exposição Em Deslocamento


DATA


COMPARTILHE


Única residência artística universitária da América Latina, a Residência Artística FAAP – São Paulo, promove no dia 03 de junho mais um Open Studio (das 12 às 17h) e a abertura da exposição Em Deslocamento (das 12 às 18h30). 

Na ocasião o público poderá ter acesso a parte do processo de trabalho dos artistas residentes, durante o Open Studio, momento em que os artistas abrem seus atuais espaços de vida e trabalho. Os visitantes poderão conversar e conhecer com muita proximidade como cada um dos residentes desenvolve suas pesquisas, além de poder ver e discutir o trabalho desenvolvido por cada um deles, na cidade, até o presente momento. O evento é gratuito e aberto ao público. 

A exposição Em Deslocamento apresenta uma seleção de onze trabalhos realizados pelos nove artistas em residência e encerra o processo desenvolvido, por eles, ao longo do semestre. Entre as obras, o público poderá ver uma instalação, animações, pinturas em acrílica e óleo, esculturas (metal e cerâmica), vídeos e fotografias. 

A Residência Artística FAAP tem como objetivo oferecer um espaço privilegiado para troca de experiências na área de artes visuais. Instalada no histórico edifício de Ramos de Azevedo, o Edifício Lutetia, na Praça do Patriarca, possui dez amplos estúdios para acomodar os artistas que participam do programa a partir de processo seletivo realizado a cada início de semestre. Mais de 350 artistas de todos os continentes já passaram pelo espaço. 

O Edifício Lutetia, foi projetado por Ramos de Azevedo e construído em 1923. Exemplo marcante da arquitetura que predominou no centro paulistano na primeira metade do século XX, o prédio é um símbolo histórico. Em 1992 foi tombado pelo Conselho Municipal de Preservação – CONPRESP (Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Histórico, Cultural e Ambiental da Cidade de São Paulo). 

Confira os artistas que participam do Open Studio: 


Estúdio 31 – Fernanda Luz (Santiago – Chile) 

Fernanda trabalha com pintura e desenho. Pesquisa sobre paisagem urbana e reflete sobre os estados políticos, sociais, históricos e poéticos que são evidentes na representação da paisagem, como destinatário da sociedade sensível e frágil. Sua obra é caracterizada por uma representação a partir da simplificação das formas, numa transferência da fotografia e uma paleta limitada de cores complexas, que surge em primeira instância da nomeação à arquitetura moderna latino-americana. 

@fernandaluzavendano 

Estúdio 32 – Ian Schuler (Rio de Janeiro – Brasil) 

Sua pesquisa imagina narrativas protagonizadas por objetos, construindo ficções com a cultura material do presente. 

@ian_schuler 

 

Estúdio 41 – Érica Storer (Paraná – Brasil) 

A obra da artista transita entre a tradição da performance de longa duração, vídeo e instalação, como uma estratégia de criar ficções e constranger os acordos entre a ética neoliberal e o trabalho cognitivo contemporâneo. 

@erica_storer 

Estúdio 42 – Johanna Invrea (Coriano – Itália) 

A pesquisa de Johanna parte de uma mescla de escultura, vídeo e arte digital, computação gráfica e fotografia e por meio de um interesse especifico pelo corpo humano, explora a conexão entre os mundos real e virtual e seus pontos de colapso.

@iranacredi 

Estúdio 51 – Ana Clara Tito (Rio de Janeiro – Brasil)  – No open studio excepcionalmente até às 15h 

Ana Clara desenvolve a partir do corpo, seus estados emocionais e mentais, e as relações que estabelece com os espaços que habita. Em objetos, fotografias, performances e instalações, sua obra integra elementos que remetem à arquitetura e arqueologia com itens íntimos, desenvolvendo um universo que reflete sobre limites, tanto carnais quanto de paridade, propondo exercícios de permissão. 

@aclaratito 

Estúdio 52 – David Cevallos Díaz (Quito – Equador) 

O artista se interessa pelos sistemas de seleção, classificação e organização de objetos. Trabalha com materiais que estão fora do circuito das lojas de arte, e com técnicas que a tradição não legitima, como o papel machê. Sua obra está ritualizada em sessões solenes de uma liturgia sincrética e noturna cujos resultados são amuletos densos e pesados, carregados de significado. 

@liru_chepi 

Estúdio 61 – Martina Krapp (Buenos Aires – Argentina) 

O trabalho de Martina utiliza da técnica do papier-collé e de registros fotográficos como decantação, em função da incursão de anos na ocupação de vitrais. Utilizando a colagem como ponto fixo, é possível criar simultaneamente múltiplos pontos cegos, que possibilitam as referências para pintura de cada peça. São as “peças” partes de uma unidade de trabalho e, ao estabelecerem relações únicas, potencializam a composição esquemática. Ao longo dos anos Martina busca resgatar a sensibilidade e sutileza do olhar para os rastros sensoriais proporcionados pela experiência da pintura, como corpo temporal na configuração de uma imagem.

@krappmartina 

Estúdio 62 – Fernanda Andrade (Rio de Janeiro – Brasil) 

Fernanda produz caminhos a percorrer. A artista drena linhas, marca círculos, tece circuitos e grifa tenses para criar espaços complexos como as relações sociais. Seus desenhos expandidos partem de processos experimentais e heterogêneos, em que fragmentações, aproximações, cruzamentos e desvios traçam campos, tramas e paisagens, trazendo o movimento como representação conceitual da insuficiência de uma perspectiva única, lógica e inerte. 

@desenho_caminho 

Estúdio 72 – Diogo Gonçalves (Fátima – Portugal) 

O trabalho do artista fala sobre espacialidade, luz, movimento e energia como matérias-primas da escultura. Na sua obra, o gesto é também o resultado do confronto do corpo com o espaço, sendo ainda a energia, como um dos signos inequívocos que resta da dissolução desse mesmo corpo no espaço. No aparente jogo entre a bidimensionalidade e a tridimensionalidade, a escultura é ação, gesto performativo, matéria diluída em sua própria energia, a mesma que refaz e atualiza os princípios programáticos de sua pesquisa artística. 

@dio.go.ncalves 

OPEN STUDIO – RESIDÊNCIA ARTÍSTICA FAAP SÃO PAULO 

Data: 3 de junho 

Horário: das 12h às 17h 

Local: Residência Artística FAAP – Edifício LutetiaEndereço: Praça do Patriarca, 78 – SéMais informações: resartisfaap.info@faap.br e www.faap.br/residenciaartistica

EXPOSIÇÃO EM DESLOCAMENTO 

Abertura: 3 de junho 

Horário: das 12h às 18H30 

Visitação: 05 a 24 de junho. Segunda a sexta, das 11h às 17h e sábados das 11h às 14h. Fechado nos dias 08, 09 e 10 de junho 

Local: Residência Artística FAAP – São Paulo / Edifício LutetiaEndereço: Praça do Patriarca, 78 – Sé 

Mais informações: resartisfaap.info@faap.br e www.faap.br/residenciaartistica 


DATA



COMPARTILHE

COMPARTILHE

Única residência artística universitária da América Latina, a Residência Artística FAAP – São Paulo, promove no dia 03 de junho mais um Open Studio (das 12 às 17h) e a abertura da exposição Em Deslocamento (das 12 às 18h30). 

Na ocasião o público poderá ter acesso a parte do processo de trabalho dos artistas residentes, durante o Open Studio, momento em que os artistas abrem seus atuais espaços de vida e trabalho. Os visitantes poderão conversar e conhecer com muita proximidade como cada um dos residentes desenvolve suas pesquisas, além de poder ver e discutir o trabalho desenvolvido por cada um deles, na cidade, até o presente momento. O evento é gratuito e aberto ao público. 

A exposição Em Deslocamento apresenta uma seleção de onze trabalhos realizados pelos nove artistas em residência e encerra o processo desenvolvido, por eles, ao longo do semestre. Entre as obras, o público poderá ver uma instalação, animações, pinturas em acrílica e óleo, esculturas (metal e cerâmica), vídeos e fotografias. 

A Residência Artística FAAP tem como objetivo oferecer um espaço privilegiado para troca de experiências na área de artes visuais. Instalada no histórico edifício de Ramos de Azevedo, o Edifício Lutetia, na Praça do Patriarca, possui dez amplos estúdios para acomodar os artistas que participam do programa a partir de processo seletivo realizado a cada início de semestre. Mais de 350 artistas de todos os continentes já passaram pelo espaço. 

O Edifício Lutetia, foi projetado por Ramos de Azevedo e construído em 1923. Exemplo marcante da arquitetura que predominou no centro paulistano na primeira metade do século XX, o prédio é um símbolo histórico. Em 1992 foi tombado pelo Conselho Municipal de Preservação – CONPRESP (Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Histórico, Cultural e Ambiental da Cidade de São Paulo). 

Confira os artistas que participam do Open Studio: 


Estúdio 31 – Fernanda Luz (Santiago – Chile) 

Fernanda trabalha com pintura e desenho. Pesquisa sobre paisagem urbana e reflete sobre os estados políticos, sociais, históricos e poéticos que são evidentes na representação da paisagem, como destinatário da sociedade sensível e frágil. Sua obra é caracterizada por uma representação a partir da simplificação das formas, numa transferência da fotografia e uma paleta limitada de cores complexas, que surge em primeira instância da nomeação à arquitetura moderna latino-americana. 

@fernandaluzavendano 

Estúdio 32 – Ian Schuler (Rio de Janeiro – Brasil) 

Sua pesquisa imagina narrativas protagonizadas por objetos, construindo ficções com a cultura material do presente. 

@ian_schuler 

 

Estúdio 41 – Érica Storer (Paraná – Brasil) 

A obra da artista transita entre a tradição da performance de longa duração, vídeo e instalação, como uma estratégia de criar ficções e constranger os acordos entre a ética neoliberal e o trabalho cognitivo contemporâneo. 

@erica_storer 

Estúdio 42 – Johanna Invrea (Coriano – Itália) 

A pesquisa de Johanna parte de uma mescla de escultura, vídeo e arte digital, computação gráfica e fotografia e por meio de um interesse especifico pelo corpo humano, explora a conexão entre os mundos real e virtual e seus pontos de colapso.

@iranacredi 

Estúdio 51 – Ana Clara Tito (Rio de Janeiro – Brasil)  – No open studio excepcionalmente até às 15h 

Ana Clara desenvolve a partir do corpo, seus estados emocionais e mentais, e as relações que estabelece com os espaços que habita. Em objetos, fotografias, performances e instalações, sua obra integra elementos que remetem à arquitetura e arqueologia com itens íntimos, desenvolvendo um universo que reflete sobre limites, tanto carnais quanto de paridade, propondo exercícios de permissão. 

@aclaratito 

Estúdio 52 – David Cevallos Díaz (Quito – Equador) 

O artista se interessa pelos sistemas de seleção, classificação e organização de objetos. Trabalha com materiais que estão fora do circuito das lojas de arte, e com técnicas que a tradição não legitima, como o papel machê. Sua obra está ritualizada em sessões solenes de uma liturgia sincrética e noturna cujos resultados são amuletos densos e pesados, carregados de significado. 

@liru_chepi 

Estúdio 61 – Martina Krapp (Buenos Aires – Argentina) 

O trabalho de Martina utiliza da técnica do papier-collé e de registros fotográficos como decantação, em função da incursão de anos na ocupação de vitrais. Utilizando a colagem como ponto fixo, é possível criar simultaneamente múltiplos pontos cegos, que possibilitam as referências para pintura de cada peça. São as “peças” partes de uma unidade de trabalho e, ao estabelecerem relações únicas, potencializam a composição esquemática. Ao longo dos anos Martina busca resgatar a sensibilidade e sutileza do olhar para os rastros sensoriais proporcionados pela experiência da pintura, como corpo temporal na configuração de uma imagem.

@krappmartina 

Estúdio 62 – Fernanda Andrade (Rio de Janeiro – Brasil) 

Fernanda produz caminhos a percorrer. A artista drena linhas, marca círculos, tece circuitos e grifa tenses para criar espaços complexos como as relações sociais. Seus desenhos expandidos partem de processos experimentais e heterogêneos, em que fragmentações, aproximações, cruzamentos e desvios traçam campos, tramas e paisagens, trazendo o movimento como representação conceitual da insuficiência de uma perspectiva única, lógica e inerte. 

@desenho_caminho 

Estúdio 72 – Diogo Gonçalves (Fátima – Portugal) 

O trabalho do artista fala sobre espacialidade, luz, movimento e energia como matérias-primas da escultura. Na sua obra, o gesto é também o resultado do confronto do corpo com o espaço, sendo ainda a energia, como um dos signos inequívocos que resta da dissolução desse mesmo corpo no espaço. No aparente jogo entre a bidimensionalidade e a tridimensionalidade, a escultura é ação, gesto performativo, matéria diluída em sua própria energia, a mesma que refaz e atualiza os princípios programáticos de sua pesquisa artística. 

@dio.go.ncalves 

OPEN STUDIO – RESIDÊNCIA ARTÍSTICA FAAP SÃO PAULO 

Data: 3 de junho 

Horário: das 12h às 17h 

Local: Residência Artística FAAP – Edifício LutetiaEndereço: Praça do Patriarca, 78 – SéMais informações: resartisfaap.info@faap.br e www.faap.br/residenciaartistica

EXPOSIÇÃO EM DESLOCAMENTO 

Abertura: 3 de junho 

Horário: das 12h às 18H30 

Visitação: 05 a 24 de junho. Segunda a sexta, das 11h às 17h e sábados das 11h às 14h. Fechado nos dias 08, 09 e 10 de junho 

Local: Residência Artística FAAP – São Paulo / Edifício LutetiaEndereço: Praça do Patriarca, 78 – Sé 

Mais informações: resartisfaap.info@faap.br e www.faap.br/residenciaartistica 

Cursos Livres e Idiomas FAAP 2024

Confira a lista de cursos

Outras notícias que você também pode gostar

Você está vendo:

Fique por dentro de tudo o que acontece na FAAP


MAB FAAP

O artista Newton Mesquita recebe o público no MAB FAAP

Os visitantes da exposição ‘Desígnio’ poderão acompanhar a execução de uma obra inédita do artista Newton Mesquita. Na sala da exposição, há um espaço expográfico reproduzindo o ateliê do artista, onde o público poderá acompanhar a execução de uma obra inédita. Confira as datas: 24/02 28/02 02/03 06/03 09/03 13/03 Sempre às 15h. O MAB FAAP funciona de quarta a segunda-feira, das 10h às 18h (última entrada às 17h30), inclusive feriados. Fechado às terças-feiras. A entrada é gratuita! Saiba mais sobre a exposição: Explore as obras de Newton Mesquita na exposição ‘Desígnio’ em exibição no MAB FAAP. Celebrando sua 56ª exposição individual, o artista proporciona, nas mais de 80 pinturas, uma imersão nas obras que retratam sua vida na cidade de São Paulo. Com uma carreira artística que ultrapassa cinco décadas, Newton Mesquita, figura ímpar nas artes plásticas brasileiras, o artista ganhou reconhecimento nas décadas de 1960-1970, consolidando-se como um dos nomes mais destacados no cenário artístico nacional. Com exposições realizadas na América Latina, Estados Unidos, Europa e Japão, o artista premiado destaca-se pela habilidade singular de dialogar entre luz e sombra em suas obras. A exposição “Desígnio” reflete uma técnica desenvolvida ao longo dos anos por Newton Mesquita. Com mais perguntas do que respostas, suas mais de 80 pinturas provocam os espectadores, levando-os a questionar se estão diante de fotografias ou pinturas. O resultado é uma simbiose visual que cativa, um jogo de luz e sombra que transcende os limites da tela. Ao explorar as nuances da cidade que o acolhe, Newton Mesquita apresenta um retrato íntimo de São Paulo. Suas obras revelam a cidade não apenas como um cenário, mas como uma entidade viva, pulsante e repleta de histórias. O curador da exposição, Fábio Magalhães, destaca a profundidade com que Mesquita desvenda os segredos urbanos: “Newton é um cronista da cidade, revelando camadas profundas que muitas vezes passam despercebidas”. O próprio Newton Mesquita expressa a essência de sua exposição ao afirmar: “A ideia dessa exposição foi basicamente dada pelo Fábio Magalhães, para ser um abraço para quem entra”. A mostra “Desígnio” é um convite para mergulhar nas reflexões do artista sobre a cidade, capturando a essência de São Paulo sob a perspectiva única de Newton Mesquita.   “Desígnio” de Newton Mesquita De 07 de fevereiro a 31 de março MAB FAAP – Rua Alagoas 903 – Higienópolis, São Paulo Entrada gratuita

Fique por dentro de tudo o que acontece na FAAP

Newsletter