UMA DAS GRANDES PROMESSAS DO CINEMA BRASILEIRO, O EX-ALUNO DA FAAP, GREGORIO GRAZIOSI, SE PREPARA PARA LANÇAR SEU SEGUNDO LONGA-METRAGEM

CATEGORIA


DATA


COMPARTILHE



COMPARTILHE

COMPARTILHE

Imagine uma atleta de saltos ornamentais, no alto de uma plataforma de 10 metros de altura que, depois de cinco anos, tenta retornar às competições e enfrentar o zumbido que a atormenta desde que sofreu um grave acidente durante um salto. Esse é o enredo de Tinnitus, segundo longa-metragem do ex-aluno de curso de Cinema Gregório Graziosi. 


Seus primeiros curtas, desenvolvidos na FAAP, foram selecionados para festivais de cinema de destaque como Cannes Cinéfondation, Locarno, Mar del Plata, Clermont-Ferrand e IDFA. E seu primeiro longa, Obra, ficou entre os filmes brasileiros que melhor circulou internacionalmente em seu ano de lançamento e ganhou Prêmio de Desempenho Artístico do Fundo Setorial do Audiovisual. 

Segundo Gregório a FAAP foi uma ótima janela para ter contato com o melhor do cinema mundial e abriu a oportunidade de conhecer realizadores de diferentes nacionalidades, com formações nas mais diversas áreas. “Depois de formado, segui trabalhando com diversos colegas e professores que conheci na graduação. Além de contar com o carinho e a orientação de mestres muito queridos.” 

O cineasta destaca também a parceria com o amigo e desenhista de som Fábio Baldo, que conheceu no curso de Cinema. “Tinnitus é nosso terceiro trabalho juntos. Seria impossível contar uma história, em que a protagonista manifesta nuances e perturbações de seu estado emocional através de distorções auditivas, sem compartilhar do seu talento.” 

O professor Humberto Neiva, coordenador do curso de Cinema, lembra que Gregório sempre foi um aluno muito aplicado e profissional, e que todos os curtas produzidos por ele na FAAP já tinham uma assinatura. “Era um aluno que já tinha personalidade e um olhar muito peculiar, determinado e metódico, construiu uma carreira muito profícua na instituição.”

A ideia para o filme veio da obra do artista plástico inglês David Hockney, A Bigger Splash. “Quem teria mergulhado naquele cenário geométrico? Esse salto teria sido bem-sucedido? Esse me parecia um mistério cinematográfico a ser decifrado. Eu precisava de respostas que aquela pintura não poderia me dar”, explica Gregório. 

A partir dessas indagações, ainda como aluno, Gregório produziu o curta-metragem Saltos, uma espécie de predecessor de Tinnitus. “Uma Faculdade de Cinema é o lugar ideal para encontrar a própria voz, através de experimentações. Entre os projetos que concluí ao longo dos anos, Tinnitus sempre vinha à minha cabeça, como um fantasma que me perseguia criativamente.” 

Gregório continua atento e ativo na comunidade Faapiana. “Durante a graduação sempre procurei assistir aulas na Faculdade de Artes e tive a sorte de participar dos Anuais de Artes Plásticas. Fiquei muito feliz em saber que agora, com a nova classificação como Centro Universitário, os alunos podem escolher outras matérias como optativas.” 

Tinnitus que ainda é inédito para o público, está na fase de finalização. A previsão é que irá estrear em Festivais em 2022 e depois será distribuído nos cinemas pela Imovision e Reserva Cultural.  


DATA



CATEGORIA

Desafio Salvador Dalí: Uma exposição surreal na FAAP

Comprar Ingresso

Outras notícias que você também pode gostar

Você está vendo:

Fique por dentro de tudo o que acontece na FAAP


Artes Visuais

Tudo sobre o restauro das obras do Jardim das Esculturas para preservar a arte e a história da FAAP

O MAB FAAP deu início ao importante projeto de restauração e conservação de 12 obras situadas no Jardim das Esculturas e na Praça do Sol. Este trabalho foi conduzido pela restauradora Tatiana Russo, contratada especialmente para garantir a preservação e a integridade dessas obras de arte. As esculturas, expostas às intempéries e às variações climáticas, exigem uma atenção especial para a sua conservação. O processo de restauração é essencial não apenas para a manutenção estética, mas também para garantir a longevidade das obras. A conservadora-restauradora Tatiana Russo nos contou um pouco mais sobre o processo: “O restauro de obras em áreas abertas é completamente diferente de tudo que estudamos sobre restauração de obras em locais fechados. Lidamos com um ambiente zero controle, ou seja, não conseguimos controlar a temperatura, a umidade, a ação de animais e até mesmo o contato do público com a obra. Nos restauros em áreas abertas, procuramos realizar o trabalho nos dias mais secos, evitando a chuva. Por isso, julho acaba sendo o melhor período para isso, além de coincidir com as férias escolares, quando as aulas estão suspensas. Optamos por realizar a pátina às segundas-feiras, já que é um trabalho que envolve o uso de fogo. Sem aulas e sem visitantes no Museu, quanto menos público, melhor.” Tatiana Russo e sua equipe estão realizando um trabalho minucioso, que inclui desde a limpeza e a estabilização das peças até a reparação de possíveis danos estruturais. O acompanhamento e a supervisão detalhada de cada etapa do processo são cruciais para o sucesso do restauro. “Estamos sempre buscando estratégias para realizar um restauro que dure o máximo possível, prevendo a interação com o público e o meio ambiente. Procuramos utilizar materiais que protejam a obra por mais tempo e planejamos ações de manutenção periódica, em conjunto com o pessoal de conservação do MAB”, contou Tatiana. O trabalho inclui a revitalização de pátina, higienização, polimento e pintura, entre outros processos. Após a limpeza, algumas obras recebem uma proteção de cera para garantir a preservação por mais tempo. Tatiana explica: “Nesse caso de obras em áreas externas, uma boa limpeza regular sempre ajuda. Em algumas situações, como no bronze, a aplicação de cera a cada seis meses também contribui para a proteção da pátina e em relação à chuva e outros fatores”. Para a FAAP, a preservação do patrimônio artístico e cultural é fundamental, tanto do ponto de vista pedagógico, como para garantir a longevidade dessas obras com grande valor histórico. As obras são de artistas de extrema importância, como Amilcar de Castro, Bruno Giorgi, Caciporé Torres, Cleber Machado, Franz Weissmann, Maria Guilhermina Gonçalves Fernandes, Nicolas Vlavianos, Sérgio Camargo e Yutaka Toyota. A dedicação de profissionais como Tatiana Russo é essencial para que essas obras continuem a inspirar e enriquecer o ambiente acadêmico e cultural da instituição. Supervisão na contratação e execução: Equipe de Conservação do MAB Coordenação: Tatiana Russo dos Reis Técnico: André Cruz da Silva Assistentes: Giulliana Ziemann Formigari e Daniel Nogueira de Lima Estagiário: Rafa Crepaldi Khouri Jovem aprendiz: Bianca Russo Cruz Coordenação de restauro das esculturas de Yutaka Toyota: Gianni


Na FAAP

Missão Estudantil FAAP Social visita o Quilombo Ivaporunduva 

Visando promover o turismo com propósito ético-cultural, a Missão Estudantil do FAAP Social visitou, no último fim de semana, o Quilombo Ivaporunduva, localizado no município de Eldorado, São Paulo, às margens do Rio Ribeira de Iguape, composto por 110 famílias. Os alunos puderam conhecer de perto práticas e costumes que são tradicionais da comunidade, que presa pela história quilombola no Brasil e a preservação ambiental.  “A Missão Ivaporunduva vem sendo organizada desde fevereiro, cada detalhe da organização foi pensado na imersão de 4 dias que teríamos no quilombo. Preparamos nossos alunos com encontros pré-viagem, com aulas sobre o movimento quilombola e sobre produção e roteiro de documentário”, nos explica Quezia Salvadori, Auxiliar de Responsabilidade Socioambiental que esteve presente em todo o processo da missão.  Por lá, além de levarem doações feitas pela Atlética FAAP, os estudantes também puderam gravar um documentário sobre a Festa de São Pedro, que combina tradições religiosas com uma cultura de mais de 300 anos de história étnico-racial. Quezia complementa “o envolvimento dos alunos entre si e entre os quilombolas, foi incrível! Voltamos para São Paulo com o coração transbordando energias boas, conhecimentos e com um documentário lindo e muito potente”.  Entre as doações está incluso mais de 100 kits de materiais escolares e, livros infantis voltados à causa antirracista, tais como “Amoras” e “E foi assim que eu e a escuridão ficamos amigas” do cantor, poeta e escritor Emicida, “Sinto o que sinto” do ator, diretor e escritor Lázaro Ramos, “Os dengos na moringa de voinha” de Ana Fátima, “O Pequeno Príncipe Preto” de Rodrigo França, “Neguinha, sim” de Renato Gama, entre


Cinema e Animação

Alunos dos Cursos de Cinema e Animação da FAAP recebem prêmios em Festival 

O primeiro semestre letivo da FAAP encerra com premiações conquistadas por alunos dos Cursos de Cinema e de Animação. Organizado e produzido por estudantes, com o apoio de professores e de núcleos acadêmicos, o Festival Beta de curtas-metragens busca promover e dar visibilidade a produção audiovisual universitária.   Os graduandos do Curso de Cinema receberam troféus por seus TCCs ‘Prelúdio de um episódio farsesco em sol maior’ e ‘Imagens Daqui’ nas categorias: melhor trilha sonora; melhor curta-metragem de ficção e melhor roteiro. Já o troféu de melhor curta-metragem de animação da IV edição do Festival Beta, teve como campeão o projeto ‘Cadim’ da aluna do 4º semestre do curso de animação.  ‘Prelúdio de um episódio farsesco em sol maior’, uma ficção com autoria de Catarina Forbes, conta sobre uma banda de alunos que ensaia para o último show do ano. Afonso, um dos pianistas do grupo, quer se destacar mostrando suas habilidades, mas acaba por causar um transtorno a todos, colocando tudo a perder. Composta por Edu Barquinho, o título levou o prêmio de melhor trilha sonora.  Já a obra ‘Imagens Daqui’ com direção e roteiro de Arthur Assumpção, se destacou ao receber duas premiações: melhor obra de ficção e melhor roteiro. O curta discorre sobre o caso de ‘Marcos’ que vê, pelas câmeras de segurança do prédio em que mora, sua esposa chegando em casa com um rapaz. Ela nega que houve traição, deixando-o obcecado com as imagens que viu, em uma busca por respostas sobre o que aconteceu.  Com direção de Luiza Pugliesi Villaça, ‘Cadim’ conta a história de ‘Seu Zé’: em meio a terras áridas e destruídas, Seu Zé caminha carregando seu pássaro Chico em uma frágil gaiola. Pouco depois de se estabelecer em um terreno saudável, tiros vindos de fazendeiros obrigam o andarilho a fugir, sem perceber que o pássaro havia sumido. Seu Zé, então, deve continuar sua jornada e reencontrar Chico, de quem tanto sente falta. Com roteiro também escrito por Pugliesi, ‘Cadim’ venceu como melhor curta-metragem de

Fique por dentro de tudo o que acontece na FAAP

Newsletter