Professor de Artes do Colégio FAAP Ribeirão Preto foi escolhido para ilustrar bloco filatélico em comemoração ao Bicentenário da Independência do Brasil


DATA


COMPARTILHE


O professor de Artes do Colégio FAAP Ribeirão Preto, Cordeiro de Sá, foi o escolhido pelos Correios para ilustrar quatro selos, formando um bloco filatélico, em comemoração ao Bicentenário da Independência do Brasil, comemorado em 2022.

A emissão comemorativa, intitulada “Bicentenário da Independência – Personalidades”, retrata quatro figuras históricas que protagonizaram movimentos importantes para a independência do País. As personalidades escolhidas foram o médico baiano e entusiasta nacionalista Cipriano Barata, o líder da Revolução Pernambucana de 1817, Frei Caneca, o militar Pedro Pedroso, que lutou contra os monarquistas, e a heroína Maria Quitéria, figura feminina de grande importância na Guerra da Independência. 

O convite feito por parte dos Correios partiu da experiência de Cordeiro de Sá, que já havia ilustrado o “Almanaque do Brasil nos Tempos da Independência”, de Jurandir Malerba. 

“A ideia era me convidar para fazer somente o selo da Maria Quitéria. Eu disse que gostava muito de selos e que ficaria muito feliz se um dia me chamassem para fazer um bloco filatélico, que é uma composição de mais selos que formam uma espécie de quebra cabeças. Assim, o convite se ampliou, o que foi muito bacana porque havia uma preocupação por parte dos Correios de fazer um resgate mais amplo da história que não ficasse só na figura de Dom Pedro I. E deixar a questão mais plural, trazendo um herói negro e uma heroína, com a força de outros grupos que lutaram pela nossa independência”, explica o professor. 

Cordeiro de Sá também é mestre em Arquitetura e Urbanismo, jornalista e mediador de conflitos. Já foi premiado como artista visual, ilustrador, bonequeiro, quadrinista e gestor social. Já participou do Animamundi, de duas Bienais Internacionais de Arquitetura de São Paulo e foi cinco vezes indicado ao Troféu HQ Mix. 

No Colégio FAAP Ribeirão Preto, ele dá aula de artes para a segunda série do ensino médio e com a implementação dos itinerários formativos, onde o objetivo é estimular o aluno a experimentar diversas áreas de conhecimento e atuações profissionais, o tem a oportunidade de desenvolver trabalhos artísticos, com cursos que vão de fotografia para celular até histórias em quadrinhos, passando por stop motion e criação de bonecos em papel machê. 

“Levei para os alunos o método de criação dos selos, de como funciona o processo de uma obra de arte aplicada à filatelia, mostrando esboços, as questões escondidas nos selos e as mensagens que cada elemento transmite. Fazemos um trabalho bem diverso de artes, tentando abrir um pouco essa visão para vários tipos de expressão e de enfrentamentos das questões do mundo”, finaliza. 

Na composição do material, o professor trabalhou com ilustração digital, desenhando a mão, jogando para o ambiente digital e emulando a xilogravura, o que permite trabalhar com suas imperfeições, simulando os erros de corte e as borradas de tinta. 

O processo digital permite que a “xilogravura” seja bastante colorida, o que é bem trabalhoso na técnica tradicional. De acordo com o professor Cordeiro de Sá, essa foi a técnica escolhida por representar bastante a cultura nordestina e também suas raízes pernambucanas. 

Com tiragem de 12 mil blocos, os selos já estão esgotados e hoje só podem ser adquiridos na internet em lojas especializadas em filatelia.


DATA



COMPARTILHE

COMPARTILHE

O professor de Artes do Colégio FAAP Ribeirão Preto, Cordeiro de Sá, foi o escolhido pelos Correios para ilustrar quatro selos, formando um bloco filatélico, em comemoração ao Bicentenário da Independência do Brasil, comemorado em 2022.

A emissão comemorativa, intitulada “Bicentenário da Independência – Personalidades”, retrata quatro figuras históricas que protagonizaram movimentos importantes para a independência do País. As personalidades escolhidas foram o médico baiano e entusiasta nacionalista Cipriano Barata, o líder da Revolução Pernambucana de 1817, Frei Caneca, o militar Pedro Pedroso, que lutou contra os monarquistas, e a heroína Maria Quitéria, figura feminina de grande importância na Guerra da Independência. 

O convite feito por parte dos Correios partiu da experiência de Cordeiro de Sá, que já havia ilustrado o “Almanaque do Brasil nos Tempos da Independência”, de Jurandir Malerba. 

“A ideia era me convidar para fazer somente o selo da Maria Quitéria. Eu disse que gostava muito de selos e que ficaria muito feliz se um dia me chamassem para fazer um bloco filatélico, que é uma composição de mais selos que formam uma espécie de quebra cabeças. Assim, o convite se ampliou, o que foi muito bacana porque havia uma preocupação por parte dos Correios de fazer um resgate mais amplo da história que não ficasse só na figura de Dom Pedro I. E deixar a questão mais plural, trazendo um herói negro e uma heroína, com a força de outros grupos que lutaram pela nossa independência”, explica o professor. 

Cordeiro de Sá também é mestre em Arquitetura e Urbanismo, jornalista e mediador de conflitos. Já foi premiado como artista visual, ilustrador, bonequeiro, quadrinista e gestor social. Já participou do Animamundi, de duas Bienais Internacionais de Arquitetura de São Paulo e foi cinco vezes indicado ao Troféu HQ Mix. 

No Colégio FAAP Ribeirão Preto, ele dá aula de artes para a segunda série do ensino médio e com a implementação dos itinerários formativos, onde o objetivo é estimular o aluno a experimentar diversas áreas de conhecimento e atuações profissionais, o tem a oportunidade de desenvolver trabalhos artísticos, com cursos que vão de fotografia para celular até histórias em quadrinhos, passando por stop motion e criação de bonecos em papel machê. 

“Levei para os alunos o método de criação dos selos, de como funciona o processo de uma obra de arte aplicada à filatelia, mostrando esboços, as questões escondidas nos selos e as mensagens que cada elemento transmite. Fazemos um trabalho bem diverso de artes, tentando abrir um pouco essa visão para vários tipos de expressão e de enfrentamentos das questões do mundo”, finaliza. 

Na composição do material, o professor trabalhou com ilustração digital, desenhando a mão, jogando para o ambiente digital e emulando a xilogravura, o que permite trabalhar com suas imperfeições, simulando os erros de corte e as borradas de tinta. 

O processo digital permite que a “xilogravura” seja bastante colorida, o que é bem trabalhoso na técnica tradicional. De acordo com o professor Cordeiro de Sá, essa foi a técnica escolhida por representar bastante a cultura nordestina e também suas raízes pernambucanas. 

Com tiragem de 12 mil blocos, os selos já estão esgotados e hoje só podem ser adquiridos na internet em lojas especializadas em filatelia.

Colégio FAAP

Matricule-se

Outras notícias que você também pode gostar

Você está vendo:

Fique por dentro de tudo o que acontece na FAAP


Comunicação e Audiovisual

FAAPCast | Ex-aluno conta sobre sua trajetória e conquistas no mundo de games  

Apresentado por Ana Júlia Ribeiro, o FAAPCast recebeu esta semana Rodrigo Terra, ex-aluno de Rádio e TV da FAAP, que compartilhou detalhes sobre sua trajetória desde os primeiros passos na universidade até as conquistas que o tornaram uma referência no cenário internacional.  Ao entrar na FAAP, Terra encontrou o ambiente propício para explorar sua curiosidade e múltiplos interesses. Fascinado pelos bastidores e pela parte técnica da produção audiovisual, percebeu a importância de compreender todo o processo para se destacar no mercado. Sua atuação como aluno da FAAP já mostrava sua habilidade em conectar pessoas e conteúdos, preparando o terreno para seu futuro.   A história de Rodrigo é marcada por uma série de experiências enriquecedoras, incluindo estágios em televisão, iniciação científica na FAAP e trabalhos freelancers em diversas empresas. Essas experiências culminaram na fundação da produtora FAZENDA URBANA, ao lado de seu irmão, consolidando sua posição no mercado audiovisual brasileiro.   No entanto, o ápice de sua carreira veio com o reconhecimento internacional. Terra tornou-se o primeiro brasileiro a receber um prêmio no Festival de Veneza, com sua obra “The Line”, uma mistura inovadora de instalação artística e narrativa de games, que também foi premiada com um EMMY.   Hoje, Rodrigo é cofundador da ARVORE e presidente da Abragames, e a conversa com ele abordou desde sua visão sobre conteúdo até suas reflexões sobre a essência humana, proporcionando aos ouvintes uma experiência inspiradora.  Para aqueles que desejam entender os bastidores do sucesso e as complexidades do mercado de entretenimento, este episódio do FAAPCast está disponível em nosso canal no

Fique por dentro de tudo o que acontece na FAAP

Newsletter