OPEN ESTUDIO DA RESIDÊNCIA ARTÍSTICA FAAP NO DIA 28/09, DAS 12H ÀS 17H

CATEGORIA


DATA


COMPARTILHE


No dia 28 de setembro, os artistas Gauri Kulkarni (Índia), Lucas Demps (RJ – Brasil), Gabriela Godói (Canadá/Brasil), Maíra Dietrich (SC – Brasil), Bianca Madruga (RJ – Brasil), Guillermo Rodriguez (Porto Rico), Genietta Varsi (Peru), Ygor Landarin ( RS – Brasil) e Tolis Tatolas (Grécia) participarão do Open Studio promovido pela Residência Artística FAAP. O evento – gratuito – é uma oportunidade para que o público possa conhecer os artistas, as diferentes culturas, os trabalhos e pesquisas que estão sendo realizados.

As ações e experiências vividas pelos residentes são objetos de discussões com alunos e interessados que frequentam também os Seminários de Investigações Contemporâneas promovidos pelos cursos de Artes Visuais da FAAP.

A Residência Artística FAAP tem como objetivo oferecer um espaço privilegiado para troca de experiências na área de artes visuais. Instalada no Edifício Lutetia, na Praça do Patriarca, a Residência Artística FAAP possui dez amplos estúdios para acomodar os artistas que participam do programa a partir de processo seletivo realizado a cada início de semestre. Mais de 350 artistas de todos os continentes já passaram pelo espaço. No Edifício Lutetia, há ainda uma extensão do MAB FAAP, onde são realizadas exposições de alunos e de artistas residentes.

 

Open Studio – Residência Artística FAAP

Data: 28/09 (sábado)

Horário: das 12h às 17h

Local: Edifício Lutetia

Endereço: Praça do Patriarca, 78 – Sé

Mais informações: (11) 3101-1776 ou mailto:resartisfaap.info@faap.br

Site: www.faap.br/residenciaartistica

 

SAIBA MAIS SOBRE OS ARTISTAS RESIDENTES:

 

Bianca Madruga (1984, Rio de Janeiro/RJ)

Artista visual. Doutoranda em Artes Visuais pela UERJ. Formou-se em Filosofia pela Universidade Federal Fluminense (UFF), tendo os títulos de bacharelado e licenciatura. Mestre em Filosofia da Arte e Estética pela Universidade Federal Fluminense (UFF), com a dissertação: O partido das coisas nas Artes Visuais, uma leitura a partir da noção de fim da arte em Hegel e Danto. Também atua como curadora e cogestora no coletivo A MESA, que promove exposições em galeria própria no Morro da Conceição, no Rio de Janeiro, desde 2015. Há algum tempo, o trabalho começou a se desdobrar a partir da ideia de horizonte. O interesse veio da ambivalência da palavra horizonte, que se refere tanto a uma temporalidade quanto a uma noção de espaço. Horizonte é porvir, limite, linha e espaço de realização do possível. Diante de um futuro que parece sempre escapar em uma espécie de eterno presente, em que as aspirações relativas ao amanhã parecem ter se rarefeito, aparece uma espécie de paradoxo: esse retorno incessante do presente enquanto vazio e, ao mesmo tempo, enquanto núcleo temporal do desejo.

 

Gabriela Godoi (1988, São Paulo/SP)

Gabriela Godoi é artista plástica e educadora. Mestre em Artes Plásticas pela Emily Carr University of Art and Design (Vancouver, Canadá). Licenciada pela Belas Artes (São Paulo, SP), e bacharelado em Artes Plásticas pela FAAP (São Paulo, SP). Em anos prévios, foi selecionada para participar em exposições coletivas como o 44º Salão de Arte Contemporânea de Piracicaba e o 41º Salão de Arte Contemporânea Luiz Sacilotto. Sua pesquisa aborda questões que permeiam o corpo, a identidade, relações interpessoais e a sexualidade. Trabalha primariamente com pintura e objetos manufaturados na intenção de expandir os limites binários entre figura e fundo, o revelar e ocultar, o Eu e o Outro. Vive e trabalha, atualmente, em Vancouver, no Canadá.

 

Gauri Kulkarni (1997, Índia)

Recém graduada pelo Instituto Srishti de Design de Arte e Tecnologia (Bangalore/Índia), a artista de 22 anos de idade, desenvolve projeto de um espaço público maior dobrando e desdobrando o caminho para a compreensão da arte natural em torno de nós.Sua prática é inclinada para pesquisa e como fazer com que cada movimento seu seja para a sustentabilidade. Usa cinco palavras para sua prática: 1. Sustentável, 2. Versátil, 3. Inovador, 4. Organizado, 5. Delineado. É uma artista multidisciplinar e designer. O design do espaço urbano sempre a intrigou. Além disso, também mantém uma profunda paixão e gosto pela vida selvagem e fotografia dessa vida.

 

Genietta Varsi (1991, Peru)

A artista trabalha com e em torno do corpo humano – usando ferramentas médicas, químicas, eletrônicas e antropológicas para investigar e questionar os modelos impostos pelas estruturas de poder. Os principais materiais com que trabalha são restos e fluidos humanos: ossos, cabelos, unhas, urina, sangue, saliva, lágrimas, leite, sêmen, entre outros. Seu trabalho consiste na manipulação do corpo e dos comportamentos humanos por meio de diferentes metodologias e resultados, entre eles escultura, instalação, som e performance.Bacharel em Artes Visuais com especialização em Escultura pela Pontifícia Universidade Católica do Peru fez duas residências em 2018 na Casa Uberbau, São Paulo, e Molten Capital, Museu de Arte Contemporânea – Quinta Normal, Santiago do Chile, e uma em 2019, na Fundação Delfina, em Londres.Participou de três exposições individuais em Lima, no Peru: “El dedo pulgar es el ejecuta”, 2018, Galería Ginsberg; “Pulsos y pulsiones” (Pulso e Impulso), 2016, Galería Rottenslat; e “Diagnóstico de Corporeidade Reprimida” (Diagnóstico da Corporeidade Reprimida), Galería Rottenslat. além de exposições coletivas no Chile, na República Tcheca e na Argentina e também é cofundadora e codiretora do SERES, uma plataforma que exibe, educa e cria arte em Lima.

 

Guillermo Rodríguez (1986, Porto Rico)

Estudou Artes Plásticas e Escultura na Universidade de Porto Rico. Ele completou o bacharelado na Goldsmiths College, Universidade de Londres, em 2010, e um mestrado em Curadoria de Artes Visuais na Universidade Nacional Tres de Febrero, em Buenos Aires. Participou da Residência da Rauschemberg Foundation, da Residência de Artes Visuais do Banff Centre e, em 2015, abriu a Residência da Iniciativa Davidoff Arts, uma colaboração entre o Atelier Mondial e a Academia de Arte e Design da FHNW, em Basel. Sua obra foi exposta na 11ª Bienal de Havana: Práticas Artísticas e Imaginários Sociais, Artesur: Ficções Coletivas, no Palais de Tokyo (Paris), e End of the Game, Fundação Proa (Buenos Aires). Seus projetos curatoriais recentes incluem Herbaria’, no Centro para o Desenvolvimento de Artes Visuais, em Havana, e Balancing a Blade on Diamond Grass (Balancing a Diamond on a Blade of Grass), em El Lobi, San Juan.

 

demps (1986, Rio de Janeiro/RJ)

demps teve sua educação artística inicial em ateliês de escultura e de joalheria, assim como em grupos de pesquisa, estudos e produções artísticas. Participou de programas de formação com bolsas de estudo na Escola de Artes Visuais do Parque Lage (Fundamentação, Práticas Artísticas Contemporâneas, nível 2, Núcleo de Imagem em Movimento, entre outros). Atualmente, é mestrando no Departamento de Artes e Design da PUC-Rio, onde desenvolve pesquisa sobre a estética do embaçamento de fronteiras entre práticas artísticas contemporâneas e processos cotidianos. Seu trabalho se propõe a lidar com as condições e imprecisões do uso da linguagem humana, tendo como referência o corpo e suas manifestações cotidianas e atravessando diversas mídias da produção artística. Desde 2013, participa de exposições coletivas no Brasil e no exterior, tendo sua primeira individual ocorrido em 2018, na Galeria Oriente (Rio de Janeiro, RJ).

 

Maíra Dietrich (1988, Florianópolis/SC)

Bacharel em Artes Plásticas pela UDESC-Florianópolis, mestre em Fine Arts pelo KASK-Ghent (Gante, Bélgica) e graduanda em Biblioteconomia na USP-São Paulo. Exposições individuais como Spelling P no 019, Gante, Visão periférica, no Paço das Artes, São Paulo, e Escrito, na Fundação Cultural BADESC, Florianópolis. Exposições coletivas no Musée des Abattoirs, Toulouse (França), e no Convent, espaço de arte contemporânea em Gante, entre outras. Participou de residências na Casa Tomada, em São Paulo, Proyecto ‘Ace, em Buenos Aires, e AFFECT, em Berlim. Desde 2015, colabora com a Casa do Povo, São Paulo, onde desenvolveu a Oficina de Anedotas Anecdote, em 2017. Desde 2012, coordena a editora freestyle A Missão.

 

Tolis Tatolas (1978, Grécia)

Bacharel (2008) pela Faculdade de Artes e Design de Vakalo e bacharel (2002) em biologia pela Universidade Aristóteles de Tessalônica. Teve oito exposições individuais e participou de vinte e uma exposições coletivas na Grécia, Reino Unido e Áustria. Escreveu o livro Animals in the Homeric Ages (2005, Erodios) e contribuiu para o volume Science and Tehcnology in Homeric Epics (2008, Springer). Textos e obras de sua autoria foram publicados na imprensa grega e internacional. No âmbito da sua atividade artística, criou os cenários e figurinos de obras de dramaturgos gregos e internacionais em Atenas. Suas obras fazem parte de coleções particulares na Grécia, EUA, Reino Unido, França, Canadá e República Tcheca. Ele é membro da Câmara de Belas Artes da Grécia desde 2014. Os interesses artísticos de Tatolas se concentram na geometria e na abstração, e em como eles podem refletir ideias e condições, criar e comunicar sentimentos de uma forma semelhante à arte representacional. Criativamente, ele emprega uma abordagem holística da estética, dentro de uma estrutura de unidade de todas as artes.

 

Ygor Landarin (1995, Uruguaiana/RS)

Com um ano de idade a família mudou-se para Florianópolis e há cerca de 5 anos vive no Rio de Janeiro. Seus processos compõem híbridos entre as culturas que fazem parte de suas raízes e onde vive atualmente, subvertendo materiais e compondo analogias a questões contemporâneas e históricas. Trabalhou por 2 anos como assistente da artista Brígida Baltar e por 5 meses para a artista Ana Miguel. Recentemente, fez sua primeira mostra individual chamada Corpo Contido, na Galeria Inox (Rio de Janeiro). Participou das exposições coletivas Flutuantes (Paço Imperial); Formação Deformação (Escola de Artes Visuais do Parque Lage); Pouso de emergência (Caixa Preta); Fixo só o prego (Espaço Sérgio Porto); Fosso 7 (Fosso).

 

 

 


DATA



CATEGORIA


COMPARTILHE

COMPARTILHE

No dia 28 de setembro, os artistas Gauri Kulkarni (Índia), Lucas Demps (RJ – Brasil), Gabriela Godói (Canadá/Brasil), Maíra Dietrich (SC – Brasil), Bianca Madruga (RJ – Brasil), Guillermo Rodriguez (Porto Rico), Genietta Varsi (Peru), Ygor Landarin ( RS – Brasil) e Tolis Tatolas (Grécia) participarão do Open Studio promovido pela Residência Artística FAAP. O evento – gratuito – é uma oportunidade para que o público possa conhecer os artistas, as diferentes culturas, os trabalhos e pesquisas que estão sendo realizados.

As ações e experiências vividas pelos residentes são objetos de discussões com alunos e interessados que frequentam também os Seminários de Investigações Contemporâneas promovidos pelos cursos de Artes Visuais da FAAP.

A Residência Artística FAAP tem como objetivo oferecer um espaço privilegiado para troca de experiências na área de artes visuais. Instalada no Edifício Lutetia, na Praça do Patriarca, a Residência Artística FAAP possui dez amplos estúdios para acomodar os artistas que participam do programa a partir de processo seletivo realizado a cada início de semestre. Mais de 350 artistas de todos os continentes já passaram pelo espaço. No Edifício Lutetia, há ainda uma extensão do MAB FAAP, onde são realizadas exposições de alunos e de artistas residentes.

 

Open Studio – Residência Artística FAAP

Data: 28/09 (sábado)

Horário: das 12h às 17h

Local: Edifício Lutetia

Endereço: Praça do Patriarca, 78 – Sé

Mais informações: (11) 3101-1776 ou mailto:resartisfaap.info@faap.br

Site: www.faap.br/residenciaartistica

 

SAIBA MAIS SOBRE OS ARTISTAS RESIDENTES:

 

Bianca Madruga (1984, Rio de Janeiro/RJ)

Artista visual. Doutoranda em Artes Visuais pela UERJ. Formou-se em Filosofia pela Universidade Federal Fluminense (UFF), tendo os títulos de bacharelado e licenciatura. Mestre em Filosofia da Arte e Estética pela Universidade Federal Fluminense (UFF), com a dissertação: O partido das coisas nas Artes Visuais, uma leitura a partir da noção de fim da arte em Hegel e Danto. Também atua como curadora e cogestora no coletivo A MESA, que promove exposições em galeria própria no Morro da Conceição, no Rio de Janeiro, desde 2015. Há algum tempo, o trabalho começou a se desdobrar a partir da ideia de horizonte. O interesse veio da ambivalência da palavra horizonte, que se refere tanto a uma temporalidade quanto a uma noção de espaço. Horizonte é porvir, limite, linha e espaço de realização do possível. Diante de um futuro que parece sempre escapar em uma espécie de eterno presente, em que as aspirações relativas ao amanhã parecem ter se rarefeito, aparece uma espécie de paradoxo: esse retorno incessante do presente enquanto vazio e, ao mesmo tempo, enquanto núcleo temporal do desejo.

 

Gabriela Godoi (1988, São Paulo/SP)

Gabriela Godoi é artista plástica e educadora. Mestre em Artes Plásticas pela Emily Carr University of Art and Design (Vancouver, Canadá). Licenciada pela Belas Artes (São Paulo, SP), e bacharelado em Artes Plásticas pela FAAP (São Paulo, SP). Em anos prévios, foi selecionada para participar em exposições coletivas como o 44º Salão de Arte Contemporânea de Piracicaba e o 41º Salão de Arte Contemporânea Luiz Sacilotto. Sua pesquisa aborda questões que permeiam o corpo, a identidade, relações interpessoais e a sexualidade. Trabalha primariamente com pintura e objetos manufaturados na intenção de expandir os limites binários entre figura e fundo, o revelar e ocultar, o Eu e o Outro. Vive e trabalha, atualmente, em Vancouver, no Canadá.

 

Gauri Kulkarni (1997, Índia)

Recém graduada pelo Instituto Srishti de Design de Arte e Tecnologia (Bangalore/Índia), a artista de 22 anos de idade, desenvolve projeto de um espaço público maior dobrando e desdobrando o caminho para a compreensão da arte natural em torno de nós.Sua prática é inclinada para pesquisa e como fazer com que cada movimento seu seja para a sustentabilidade. Usa cinco palavras para sua prática: 1. Sustentável, 2. Versátil, 3. Inovador, 4. Organizado, 5. Delineado. É uma artista multidisciplinar e designer. O design do espaço urbano sempre a intrigou. Além disso, também mantém uma profunda paixão e gosto pela vida selvagem e fotografia dessa vida.

 

Genietta Varsi (1991, Peru)

A artista trabalha com e em torno do corpo humano – usando ferramentas médicas, químicas, eletrônicas e antropológicas para investigar e questionar os modelos impostos pelas estruturas de poder. Os principais materiais com que trabalha são restos e fluidos humanos: ossos, cabelos, unhas, urina, sangue, saliva, lágrimas, leite, sêmen, entre outros. Seu trabalho consiste na manipulação do corpo e dos comportamentos humanos por meio de diferentes metodologias e resultados, entre eles escultura, instalação, som e performance.Bacharel em Artes Visuais com especialização em Escultura pela Pontifícia Universidade Católica do Peru fez duas residências em 2018 na Casa Uberbau, São Paulo, e Molten Capital, Museu de Arte Contemporânea – Quinta Normal, Santiago do Chile, e uma em 2019, na Fundação Delfina, em Londres.Participou de três exposições individuais em Lima, no Peru: “El dedo pulgar es el ejecuta”, 2018, Galería Ginsberg; “Pulsos y pulsiones” (Pulso e Impulso), 2016, Galería Rottenslat; e “Diagnóstico de Corporeidade Reprimida” (Diagnóstico da Corporeidade Reprimida), Galería Rottenslat. além de exposições coletivas no Chile, na República Tcheca e na Argentina e também é cofundadora e codiretora do SERES, uma plataforma que exibe, educa e cria arte em Lima.

 

Guillermo Rodríguez (1986, Porto Rico)

Estudou Artes Plásticas e Escultura na Universidade de Porto Rico. Ele completou o bacharelado na Goldsmiths College, Universidade de Londres, em 2010, e um mestrado em Curadoria de Artes Visuais na Universidade Nacional Tres de Febrero, em Buenos Aires. Participou da Residência da Rauschemberg Foundation, da Residência de Artes Visuais do Banff Centre e, em 2015, abriu a Residência da Iniciativa Davidoff Arts, uma colaboração entre o Atelier Mondial e a Academia de Arte e Design da FHNW, em Basel. Sua obra foi exposta na 11ª Bienal de Havana: Práticas Artísticas e Imaginários Sociais, Artesur: Ficções Coletivas, no Palais de Tokyo (Paris), e End of the Game, Fundação Proa (Buenos Aires). Seus projetos curatoriais recentes incluem Herbaria’, no Centro para o Desenvolvimento de Artes Visuais, em Havana, e Balancing a Blade on Diamond Grass (Balancing a Diamond on a Blade of Grass), em El Lobi, San Juan.

 

demps (1986, Rio de Janeiro/RJ)

demps teve sua educação artística inicial em ateliês de escultura e de joalheria, assim como em grupos de pesquisa, estudos e produções artísticas. Participou de programas de formação com bolsas de estudo na Escola de Artes Visuais do Parque Lage (Fundamentação, Práticas Artísticas Contemporâneas, nível 2, Núcleo de Imagem em Movimento, entre outros). Atualmente, é mestrando no Departamento de Artes e Design da PUC-Rio, onde desenvolve pesquisa sobre a estética do embaçamento de fronteiras entre práticas artísticas contemporâneas e processos cotidianos. Seu trabalho se propõe a lidar com as condições e imprecisões do uso da linguagem humana, tendo como referência o corpo e suas manifestações cotidianas e atravessando diversas mídias da produção artística. Desde 2013, participa de exposições coletivas no Brasil e no exterior, tendo sua primeira individual ocorrido em 2018, na Galeria Oriente (Rio de Janeiro, RJ).

 

Maíra Dietrich (1988, Florianópolis/SC)

Bacharel em Artes Plásticas pela UDESC-Florianópolis, mestre em Fine Arts pelo KASK-Ghent (Gante, Bélgica) e graduanda em Biblioteconomia na USP-São Paulo. Exposições individuais como Spelling P no 019, Gante, Visão periférica, no Paço das Artes, São Paulo, e Escrito, na Fundação Cultural BADESC, Florianópolis. Exposições coletivas no Musée des Abattoirs, Toulouse (França), e no Convent, espaço de arte contemporânea em Gante, entre outras. Participou de residências na Casa Tomada, em São Paulo, Proyecto ‘Ace, em Buenos Aires, e AFFECT, em Berlim. Desde 2015, colabora com a Casa do Povo, São Paulo, onde desenvolveu a Oficina de Anedotas Anecdote, em 2017. Desde 2012, coordena a editora freestyle A Missão.

 

Tolis Tatolas (1978, Grécia)

Bacharel (2008) pela Faculdade de Artes e Design de Vakalo e bacharel (2002) em biologia pela Universidade Aristóteles de Tessalônica. Teve oito exposições individuais e participou de vinte e uma exposições coletivas na Grécia, Reino Unido e Áustria. Escreveu o livro Animals in the Homeric Ages (2005, Erodios) e contribuiu para o volume Science and Tehcnology in Homeric Epics (2008, Springer). Textos e obras de sua autoria foram publicados na imprensa grega e internacional. No âmbito da sua atividade artística, criou os cenários e figurinos de obras de dramaturgos gregos e internacionais em Atenas. Suas obras fazem parte de coleções particulares na Grécia, EUA, Reino Unido, França, Canadá e República Tcheca. Ele é membro da Câmara de Belas Artes da Grécia desde 2014. Os interesses artísticos de Tatolas se concentram na geometria e na abstração, e em como eles podem refletir ideias e condições, criar e comunicar sentimentos de uma forma semelhante à arte representacional. Criativamente, ele emprega uma abordagem holística da estética, dentro de uma estrutura de unidade de todas as artes.

 

Ygor Landarin (1995, Uruguaiana/RS)

Com um ano de idade a família mudou-se para Florianópolis e há cerca de 5 anos vive no Rio de Janeiro. Seus processos compõem híbridos entre as culturas que fazem parte de suas raízes e onde vive atualmente, subvertendo materiais e compondo analogias a questões contemporâneas e históricas. Trabalhou por 2 anos como assistente da artista Brígida Baltar e por 5 meses para a artista Ana Miguel. Recentemente, fez sua primeira mostra individual chamada Corpo Contido, na Galeria Inox (Rio de Janeiro). Participou das exposições coletivas Flutuantes (Paço Imperial); Formação Deformação (Escola de Artes Visuais do Parque Lage); Pouso de emergência (Caixa Preta); Fixo só o prego (Espaço Sérgio Porto); Fosso 7 (Fosso).

 

 

 

Cursos Livres e Idiomas FAAP 2024

Confira a lista de cursos

Outras notícias que você também pode gostar

Você está vendo:

Fique por dentro de tudo o que acontece na FAAP


Relações Internacionais

Fernanda Magnotta compõe o grupo Global Fellows do Wilson Center

A professora Fernanda Magnotta, coordenadora do curso de Relações Internacionais da FAAP e liderança à frente do BIA, o novo programa na área de negócios da instituição, acaba de ser convidada para compor o seleto grupo de “Global Fellows” do Wilson Center, de Washinton, DC. Trata-se de um dos mais poderosos think tanks do mundo e dos maiores dos Estados Unidos. Esse gesto reconhece a Profa. Magnotta como uma liderança intelectual no Brasil e a inclui como parte de uma das redes de relacionamento mais prestigiadas do planeta. Fernanda é prata da casa. Graduou-se na FAAP, em 2009, tornou-se parte do corpo docente ainda como “jovem professora”, em 2010, e ocupa a coordenação do curso de Relações Internacionais desde 2013. Ao todo, já são 14 anos de docência e dedicação a inúmeros projetos. Fernanda tem mestrado e doutorado na área, é especialista em política dos EUA, com foco nas relações entre EUA-China-América Latina. Seu trabalho inclui publicações acadêmicas e artigos de opinião especializados com circulação em diferentes idiomas. Já foi consultora da Comissão de Relações Internacionais da OAB, em São Paulo, e atualmente é Senior Fellow do CEBRI, do Rio de Janeiro. Além disso, contribui regularmente como colunista para o Portal UOL e para a Rádio CBN. Reconhecida internacionalmente, liderou a delegação da Cúpula da Juventude do G20 do Brasil na China, e observou as eleições dos EUA de 2016 em Ohio, convidada pela Embaixada dos EUA. Selecionada para o Programa W30 da UCLA em 2017, está entre os top 30 em gestão acadêmica global. Recebeu uma concorrida bolsa Fulbright para realizar pesquisa na University of Southern California em 2022. Suas análises aparecem nos principais meios de comunicação no Brasil, nos EUA e na Europa frequentemente. Magnotta é palestrante regular de cursos e treinamentos para diplomatas e oficiais militares, lidera projetos envolvendo autoridades, pesquisadores e o setor privado principalmente no Brasil e nos Estados


Na FAAP

B-Hub anuncia nova fase com lançamento de produtos e serviços

O Centro de Empreendedorismo da Fundação Armando Alvares Penteado (FAAP), o B-Hub, se prepara para entrar em uma nova fase. O espaço, conhecido por sua dedicação ao empreendedorismo, agora oferece uma variedade de serviços e mentorias especializadas, além de apresentar uma equipe de professores renomados prontos para orientar e impulsionar ideias únicas. Novos Serviços e Professores: Transformando Ideias em Oportunidades O programa “START” oferece uma oportunidade de transformar ideias em ações concretas. Composto por 6 encontros, a equipe do FAAP Business Hub guiará os participantes na jornada de iniciar, organizar e priorizar projetos. Início: 05 de marçoQuando: Terças e quintas | das 14h às 16h30 Este curso gratuito é exclusivo para alunos e válido como atividade complementar. As vagas são limitadas! Inscreva-se clicando aqui. Para os momentos em que um projeto trava, o B-Hub oferece mentorias personalizadas com professores especialistas. Seja em encontros presenciais ou on–line, essas mentorias são projetadas para desbloquear ideias e proporcionar insights para alunos e ex-alunos. Entre em contato com a equipe para agendar a sua mentoria. O programa “FAABRICA” é destinado ao desenvolvimento de business plans, planos de marketing e protótipos, fornecendo suporte fundamental para projetos em estágios iniciais. Uma equipe de professores estará à disposição dos interessados: Marcelo de Almeida Westermann – Arquitetura e DesignJulio Cesar de Freitas – DesignMayara Ferreira Longuini – DireitoJosé Sarkis Arakelian – AdministraçãoMarco Antônio Di Lorenzi Andreoni – Artes, Design e Moda B-Hub – O Espaço para Desenvolvimento de Projetos Além de apresentar os novos produtos e serviços, é importante destacar que o B-Hub é um espaço dedicado ao desenvolvimento de projetos. Seja dando os primeiros passos na jornada empreendedora ou buscando aprimoramento para projetos já existentes, o B-Hub continua a ser o ambiente propício para o crescimento e inovação. Com estes novos projetos, o B-Hub reafirma seu compromisso em ser um catalisador para o empreendedorismo na comunidade FAAP e no

Fique por dentro de tudo o que acontece na FAAP

Newsletter