ESTUDO DA FAAP ANTECIPOU A EVOLUÇÃO DA PODOSFERA

CATEGORIA


DATA


COMPARTILHE


Um estudo desenvolvido em 2019 pelo Núcleo de Inovação em Mídia Digital da FAAP revelou que havia a oportunidade e espaço para o surgimento de temas e novos formatos em podcasts, ainda pouco explorados no Brasil, como conteúdo voltado ao gênero Adulto/Erotismo. De lá pra cá, houve uma significativa mudança e, hoje, há desde conteúdos independentes até a entrada de canais de TV neste segmento da podosfera. 

No mês passado, por exemplo, foi anunciada a segunda temporada do podcast Sexy Hot. Há ainda o “Só para Maiores”, que estreou no final de 2021, com base nos roteiros dos filmes originais do canal. Com uma nova temporada em vista, o podcast agora dará vida às melhores histórias enviadas pelo público a partir de um site dedicado exclusivamente à ação.

“Quando havia algo para este nicho, normalmente era um episódio isolado e que estava no contexto de um bate-papo, mas o estudo previu que havia um mercado a ser explorado, uma vez que 24% dos que responderam à pesquisa na época demonstraram interesse nesse tipo de conteúdo”, explica o professor de criação e produção de áudio da FAAP, Marcelo Abud. 

Outra tendência relacionada pela pesquisa do NiMD-FAAP foi para a criação de mais conteúdos que explorassem a contação de histórias e audiodramas (feitos nos mesmos moldes das antigas radionovelas). No levantamento feito há dois anos, esse segmento correspondia a menos de 2% dos áudios disponíveis nas plataformas de podcasts. 

Hoje, há inúmeras iniciativas do gênero, desde aqueles dedicados a histórias para fazer a criança ninar, que tem como um dos destaques o “Era uma Vez Podcast”, de Carol Camanho, passando por iniciativas de grupos de teatro, como o tradicional Galpão, que fez a radionovela “Quer Ver? Escuta!”, até conteúdos tradicionais como a “Carta da Saudade”, de Eli Corrêa. Além disso, plataformas como o Spotify, com o Paciente 63, e a brasileira Orelo, com “A Febre de Kuru”, apostaram em grandes produções no formato de audiodrama. 

“Um dos fatores que pode ter impulsionado a criação de conteúdos mais elaborados é a necessidade de canais de TV e de artistas se reinventarem para continuar a entregar conteúdos criativos e de qualidade, só que agora produzidos a distância”, destaca o professor. Ele lembra, por exemplo, a temporada da Nova Escolinha do Professor Raimundo e outros programas da TV Globo que ganharam suas versões em séries de áudio. 

Para além da imposição que vem a partir do distanciamento social, o professor Marcelo aponta que os podcasts criados nos últimos dois anos possuem uma qualidade acima do que vinha sendo feito, o que torna a podosfera ainda mais atraente para um público cada vez mais diverso e amplo.

Outro fator apontado pelo professor é o cansaço do convívio com telas para as mais diferentes atividades, que também gerou uma busca pelo áudio para gêneros mais artísticos, como cinema e teatro.

Sobre oportunidades nesse universo, ele destaca que a produção de trilhas originais ainda é pouco valorizada. “Há espaço para a criação de marcas sonoras e trilhas que se identifiquem com os conteúdos. Hoje, temos bons exemplos acontecendo, mas ainda estão restritos a audiosséries e audiodramas. Cabe investir em trilhas para podcasts mais jornalísticos e, também, institucionais”, finaliza. 

O estudo “Tendências do Podcast no Brasil: Formatos e Demandas”, desenvolvido em 2019, pode ser revisto no site do NiMD FAAP. 


COMPARTILHE

COMPARTILHE

Um estudo desenvolvido em 2019 pelo Núcleo de Inovação em Mídia Digital da FAAP revelou que havia a oportunidade e espaço para o surgimento de temas e novos formatos em podcasts, ainda pouco explorados no Brasil, como conteúdo voltado ao gênero Adulto/Erotismo. De lá pra cá, houve uma significativa mudança e, hoje, há desde conteúdos independentes até a entrada de canais de TV neste segmento da podosfera. 

No mês passado, por exemplo, foi anunciada a segunda temporada do podcast Sexy Hot. Há ainda o “Só para Maiores”, que estreou no final de 2021, com base nos roteiros dos filmes originais do canal. Com uma nova temporada em vista, o podcast agora dará vida às melhores histórias enviadas pelo público a partir de um site dedicado exclusivamente à ação.

“Quando havia algo para este nicho, normalmente era um episódio isolado e que estava no contexto de um bate-papo, mas o estudo previu que havia um mercado a ser explorado, uma vez que 24% dos que responderam à pesquisa na época demonstraram interesse nesse tipo de conteúdo”, explica o professor de criação e produção de áudio da FAAP, Marcelo Abud. 

Outra tendência relacionada pela pesquisa do NiMD-FAAP foi para a criação de mais conteúdos que explorassem a contação de histórias e audiodramas (feitos nos mesmos moldes das antigas radionovelas). No levantamento feito há dois anos, esse segmento correspondia a menos de 2% dos áudios disponíveis nas plataformas de podcasts. 

Hoje, há inúmeras iniciativas do gênero, desde aqueles dedicados a histórias para fazer a criança ninar, que tem como um dos destaques o “Era uma Vez Podcast”, de Carol Camanho, passando por iniciativas de grupos de teatro, como o tradicional Galpão, que fez a radionovela “Quer Ver? Escuta!”, até conteúdos tradicionais como a “Carta da Saudade”, de Eli Corrêa. Além disso, plataformas como o Spotify, com o Paciente 63, e a brasileira Orelo, com “A Febre de Kuru”, apostaram em grandes produções no formato de audiodrama. 

“Um dos fatores que pode ter impulsionado a criação de conteúdos mais elaborados é a necessidade de canais de TV e de artistas se reinventarem para continuar a entregar conteúdos criativos e de qualidade, só que agora produzidos a distância”, destaca o professor. Ele lembra, por exemplo, a temporada da Nova Escolinha do Professor Raimundo e outros programas da TV Globo que ganharam suas versões em séries de áudio. 

Para além da imposição que vem a partir do distanciamento social, o professor Marcelo aponta que os podcasts criados nos últimos dois anos possuem uma qualidade acima do que vinha sendo feito, o que torna a podosfera ainda mais atraente para um público cada vez mais diverso e amplo.

Outro fator apontado pelo professor é o cansaço do convívio com telas para as mais diferentes atividades, que também gerou uma busca pelo áudio para gêneros mais artísticos, como cinema e teatro.

Sobre oportunidades nesse universo, ele destaca que a produção de trilhas originais ainda é pouco valorizada. “Há espaço para a criação de marcas sonoras e trilhas que se identifiquem com os conteúdos. Hoje, temos bons exemplos acontecendo, mas ainda estão restritos a audiosséries e audiodramas. Cabe investir em trilhas para podcasts mais jornalísticos e, também, institucionais”, finaliza. 

O estudo “Tendências do Podcast no Brasil: Formatos e Demandas”, desenvolvido em 2019, pode ser revisto no site do NiMD FAAP. 


DATA



CATEGORIA

Desafio Salvador Dalí: Uma exposição surreal na FAAP

Comprar Ingresso

Outras notícias que você também pode gostar

Você está vendo:

Fique por dentro de tudo o que acontece na FAAP


Na FAAP

FAAP inaugura Cinema e nova ala de Audiovisual 

FAAP inaugurou, nesta terça-feira, a mais completa, tecnológica e sofisticada ala acadêmica de Audiovisual do Brasil, com evento lotado. Localizada no prédio 1 da Fundação, a nova ala atende os cursos de Cinema, Produção Audiovisual, Jornalismo e todos os outros cursos que de uma forma ou de outra transitam pelo mundo da comunicação. “Sinto uma enorme satisfação em poder inaugurar, hoje, esta ala de Audiovisual que, com certeza, vai perpetuar na linha do tempo de acontecimentos históricos e relevantes da FAAP”, comentou a Sra. Pilar Guillon Liotti, Membro do Conselho do MAB FAAP. O grande destaque da ala fica por conta do CINE FAAP, um cinema profissional de última geração, com capacidade para 88 pessoas. A sala de projeção é equipada com tecnologia de ponta e é a única sala digital do país, situada em uma instituição de ensino superior, que possui projeção 2K com sistema DCP, um projetor Christie Laser e som Dolby digital 5.1. Na entrada do cinema temos uma exposição permanente de cartazes originais, parte do acervo da Filmoteca da FAAP. Além do cinema, a nova ala conta com dois superestúdios. Um de 114m² e outro de 133m², em 8,5m de pé-direito livre, totalizando 247 metros quadrados de espaço dedicados a filmagens, cenografias e afins. Chama a atenção também, um imponente estúdio de vidro para gravações de podcasts, além de mais 4 estúdios multiusos, estúdio de fotografia com um novíssimo laboratório de revelação analógica, sala de rádio, entre outras produções audiovisuais. Diversas ilhas de edição e equipamentos de última geração permitem ao aluno a experiência de aprender com o que há de mais atualizado no mercado profissional. Os estudantes têm à disposição Câmeras Blackmagic 4K, Sony PMW – F55 4K, mesa Pro Tools e Avid, salas de edição com isolamento acústico, ilha de edição 3D, computadores, pacote Adobe e todos os acessórios necessários para as produções mais complexas do cinema, entretenimento, jornalismo e audiovisuais no geral. Vale lembrar que a Filmoteca da FAAP é uma das três maiores do país, junto com a da Cinemateca Brasileira e a do MAM. Sua coleção inclui mais de 10 mil películas, 8 mil cartazes de filmes, 12 mil fotos, além de curtas e séries exibidos em salas de cinema de todo o Brasil. Com esta inauguração, a FAAP, uma instituição contemporânea que se atualiza todos os dias há 77 anos, se consolida como a maior referência no ensino de audiovisual do Brasil, oferecendo aos alunos as melhores ferramentas e tecnologias do mercado para o desenvolvimento de suas habilidades e projetos


Business and International Affairs

Helio Bertachini apresenta palestra ‘Bancos Multilaterais e a carreira do Internacionalista’ 

Nessa última terça-feira, 11, os alunos do BIA participaram da palestra “Bancos Multilaterais e a carreira do Internacionalista” com o mestre em Relações Internacionais e Economia pela UC San Diego School of Global Policy and Strategy, Helio Bertachini, responsável atualmente pelo setor de monitoramento e avaliação de projetos no African Development Bank Group.   “Muitas vezes, é através de eventos como esse que vocês mantêm um objetivo profissional ou o eliminam. Então essa versatilidade é muito boa, bem como trazer profissionais da área para falar a respeito do assunto”, reforça a mediadora Vanessa Braga, professora de Relações Internacionais da FAAP. Bertachini é ex-aluno da FAAP, bacharel em RI e mora atualmente em Joanesburgo, África do Sul. O internacionalista compartilhou com os alunos a sua trajetória profissional no exterior, os desafios, e as oportunidades dentro do setor de bancos públicos internacionais.   O que são os Bancos Multilaterais de Desenvolvimento?   Os Bancos Multilaterais são instituições financeiras públicas que surgiram na década de 1940 com objetivo de reestruturar os países no período pós-guerras mundiais. “Eles basicamente têm a mesma função, falam sobre as mesmas coisas. Como a redução da pobreza, prosperidade compartilhada, desenvolvimento econômico, crescimento sustentável e socioambiental. Basicamente eles trabalham com os mesmos objetivos”, explica Helio.   Os Bancos de Desenvolvimento são divididos em 3 campos de ação. O primeiro está vinculado aos setores reais, tais como infraestrutura, agricultura e educação. O segundo é referente às políticas públicas, uma vez que emprestam dinheiro para que algumas reformas econômicas aconteçam nos países.   Helio ainda complementa: “e tem toda uma parte de pesquisa e produção de conhecimento. Se você entrar no Banco Mundial tem todo um setor de economia aplicada. Tem todo um setor que faz estudos sobre quais políticas públicas fazem mais efeito, muita avaliação de impacto. Tem todo um trabalho sobre tentar investigar qual o real impacto do banco e dos projetos que a gente faz nos países em desenvolvimento”.  As possíveis carreiras  Partindo do alinhamento sobre o que é o Banco Multilateral e quais são as suas frentes de ação, Bertachini destacou a importância do networking, da viagem ao exterior e ainda explicou aos alunos sobre as possíveis carreiras desse setor, como funciona o preparo para as vagas disponíveis no mercado, quais os salários de cada cargo, assim como elucidou como funcionam as equipes de projetos.   São muitas as possibilidades e, entre elas, destacou as equipes responsáveis pela área jurídica, áreas de risco, os especialistas em questões socioambientais, aquisições, front office e country office, economistas, entre outros.     Para qualquer dúvida ou interesse sobre a carreira, os prós e contras, desafios e oportunidades, deixou o seu contato disponível:


Na FAAP

Luiz Felipe Pondé ministra aula inaugural de sua Pós na FAAP

Nessa segunda-feira, 10, Luiz Felipe Pondé ministrou aula inaugural de sua Pós-Graduação “Mercado e Comportamento no Século XXI”, na FAAP. As aulas da pós-graduação serão online. Uma parte dos conteúdos será gravada, e outra será em formato de live. Todas as lives ficarão disponíveis para consultas. O curso terá duração de até 12 meses e vai contar com nomes de peso do mercado como: Walter Longo, publicitário especialista em comunicação e interatividade. Rodrigo Petronio, filósofo e escritor. João Braga, historiador da moda e professor dos cursos de graduação e pós-graduação em Moda da FAAP. Davi Lago, professor de Filosofia do Direito e colunista da revista Veja, Estado da Arte/Estadão, Jornal Em Tempo e G1. Eduardo Wolf, filósofo e colaborador da revista Veja e editor da plataforma multimídia O Estado da Arte, no jornal O Estado de São Paulo. Juliana de Albuquerque, filósofa e colunista da Folha de São Paulo. Martha Gabriel, especialista em inovação, palestrante keynote internacional premiada, 8 TEDx. João Pereira Coutinho, cientista político, cronista e colunista da Folha de São Paulo e Colaborador do jornal diário português Correio da Manhã. Para estar à frente do mercado é preciso desenvolver um pensamento crítico capaz de antecipar tendências e navegar com destreza por esse novo mundo. Esse é o foco da pós-graduação “Mercado e Comportamento no Século XXI”, concebida por Luiz Felipe Pondé, o renomado filósofo, escritor e ensaísta brasileiro. Se interessou? Garanta sua


Jornalismo

FAAP lança curso de extensão gratuito para jornalistas em parceria com a União Europeia

Buscando fomentar a troca de informações, debates e conscientização dos jornalistas sobre o papel da União Europeia como parceiro estratégico do Brasil, a FAAP lança a terceira edição do curso UE Debriefing em parceria com o Centro Jean Monnet.  As inscrições para o processo seletivo vão de 12 de junho a 12 de julho e podem ser feitas pelo link https://faapinscricao.crmeducacional.com/login/1220  Criado em 1990, pela Comissão Europeia, o programa Jean Monnet visa difundir e aprofundar o conhecimento nas áreas de Jornalismo e Relações Internacionais por meio do apoio às instituições que desempenham um papel ativo no ensino e na investigação sobre a integração europeia.   Nesta edição, 100% on-line, os participantes terão a oportunidade de debater com professores renomados da instituição e com convidados sobre os temas que fazem parte das principais pautas da UE.   Seguindo o sucesso do curso Agenda Global, oferecido pela instituição desde 2004, o UE Debriefing é uma oportunidade única para jornalistas e profissionais interessados em compreender melhor os impactos dessas pautas no mundo. As inscrições são gratuitas e podem ser realizadas através do site da FAAP.  O projeto é realizado por meio do FAAP – Centro Jean Monnet para Formação de Jornalistas e Decisores Políticos, cofinanciado pela União Europeia por parte do Programa Erasmus+.   ESTRUTURA: Serão realizados 9 encontros, em seletas terças-feiras, das 9h30 às 11h00.  CRONOGRAMA:  * 13/08: Mudanças Climáticas  * 27/08: Acordo Mercosul-EU  * 17/09: Parlamento Europeu  * 01/10: Questões Migratória  * 15/10: Populismo  * 29/10: Política Agrícola Comum  * 12/11: Segurança  * 26/11: Geopolítica Global  * 10/12: Ciência e

Fique por dentro de tudo o que acontece na FAAP

Newsletter